Rei de Roma

SÃO PAULO (ó, Internacional) – Paulo Roberto Falcão voltou ao seu time do coração, o SC Internacional, em uma retomada de sua carreira como técnico de futebol. Porto Alegre e a nação colorada o saúda!

Mas que ninguém se esqueça do trabalho de Celso Roth que, mesmo contestado, deu mais uma libertadores aos gaúchos. Claro que a derrota para o Mazembe foi o começo de sua cova, mas a torcida deve ter muito respeito pelo trabalho de Roth.

O Inter de Falcão estreia neste sábado, pelo Gauchão, contra o Santa Cruz. Mas ainda vai levar um tempinho para o eterno craque configurar o grupo e o time à sua maneira.

Depois de 15 anos como comentarista na Rede Globo, Falcão levará para a beira do campo a sabedoria e a calma que adquiriu vendo o jogo de cima, da cabine de transmissão. Isso fará diferença, muita diferença. Falcão é um lorde no meio do futebol, tamanha sua educação, postura e sabedoria, algo que poucos profissionais desse meio conseguem. Falar bem e polidamente é relativamente fácil. Carpegiani, Geninho, Mano Menezes, Dorival Jr, Caio Jr, Parreira e até mesmo Felipão conseguem ser educados quando calmos. Mas é no gramado que a coisa muda de figura.

Falcão conseguirá colocar toda sua sapiência num grupo meio desgastado pela inconstância que vem apresentando nesses últimos meses? O ex-camisa 5 sabe que é preciso outra condução para esse grupo, com mudanças de comportamento, de estilo e de tática. Conseguirá o grupo assimilar Falcão? Sempre um técnico novo dá um ânimo novo num clube e seu elenco.

Ele diz que quer fazer um trabalho longevo e que voltou para bater recordes. Como Dunga, Falcão foi meio que jogado como técnico da Seleção Brasileira depois do fracasso da Copa de 90 (com Lazaroni no comando) e saiu um ano depois, também meio forçado, quase que brigado com o eterno cappo Ricardo Teixeira.

Pelas palavras acima, o novo técnico do Inter de Porto Alegre quer retornar em grande estilo como treinador. E vou mais longe.

Seu objetivo futuro é um retorno à Seleção Brasileira.

Não querendo queimar Mano, que mal começou seu trabalho. Bom trabalho, diga-se. Mas Mano não é eterno como treinador da amarelinha. E quando ele sair (depois da Copa 2014, espero. Ou depois das Olimpíadas de Verão de 2016; seria até melhor), creio que Falcão seja o substituto natural. Ricardo Teixeira tem alguns erros para reparar e esse é um deles.

O Rei de Roma, alcunha que ganhou quando jogava pelo time da cidade milenar, já dizia há alguns anos que queria voltar a ser técnico de futebol. Então só podemos desejar boa sorte e que Falcão faça um belo trabalho, galgado com toda sua sabedoria e experiência. E que siga o caminho natural até o posto mais alto de um técnico no Brasil. São poucos os capacitados atualmente para isso. E Falcão está entre eles.

Vida longa ao rei, pois!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em futebol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s