Made in China (4)

SÃO PAULO (acabou o domínio)– Depois de ver o GP da China de Fórmula 1 até o final e de ter um domingo bem ocupado, só agora achei um tempinho para escrever aqui sobre a corrida. Também teve a Stock Car de manhã, mas isso fica para depois. Vamos ao que interessa.

Para quem reclamava que a Fórmula 1 estava chata, que os GPs da Austrália e Malásia foram meio mornos mesmo com as artificialidades inventadas pela FIA, teve de engolir seco – eu incluso. A corrida em Xangai foi excelente, a melhor desse ano e melhor até que as últimas da temporada passada. E quem esperava um domínio da Red Bull com Sebastian Vettel, foi surpreendido com reviravoltas, estratégias diferentes, disputas pela primeira posição o tempo todo entre vários pilotos diferentes, drama com pneus e alternativas mil. Sensacional!

Grande parte do crédito dessa prova memorável vai para os pneus da Pirelli, aliados à dupla DRS + KERS. A borracha italiana é temperamental, uma hora ela dura bastante, outra hora acaba de uma vez. É um fator decisivo para as estratégias de corridas. E quem se deu bem nesse GP foi a McLaren com seu menino-prodígio de outrora, Lewis Hamilton, vencedor com uma vitória maiúscula na China, conquistada na gana. Vitória de encher os olhos, emocionante, uma vitória da equipe inteira.

O inglês, que quase ficou fora da prova por causa de um vazamento de combustível antes da largada, conseguiu alinhar seu carro no grid a 30 segundos do fechamento dos boxes depois da equipe suar para resolver o problema. Na largada, pulou na frente de Vettel na primeira curva junto de seu companheiro Jenson Button, deixando o alemão da Red Bull em terceiro. Sebastian novamente teve problemas com o KERS da Red Bull e deixa a escuderia austríaca em alerta para resolver este problema que lhe custou a vitória. Já são três corridas que o aparato não funciona direito. Uma quarta já começaria a ficar trágico.

Mas com uma excelente estratégia de três paradas, Hamilton ainda teve de superar Vettel a cinco voltas do fim, numa bela manobra. Mais constante o tempo todo, o inglês foi inteligente de ter economizado um jogo de pneus macios na classificação, o que deu uma vantagem a mais para sair da China com o troféu de primeiro lugar.

Foram vários os personagens dessa prova. Alguns com mais destaque, outros nem tanto. Mas um dos que protagonizaram uma bela corrida foi Mark Webber.

Ele mesmo, o australiano que largou em 18° veio jantando todo mundo, com paciência e determinação, e escalou o grid inteiro para fechar a prova na terceira posição, logo atrás de seu companheiro, Vettel, o segundo colocado.

Uma prova brilhante de Webber, que no pódio exibiu aquele sorriso de missão cumprida, satisfeito, e que mostrou o velho brilho nos olhos, adormecido nos últimos tempos. Arrisco dizer que mais umas 10 voltas ele estaria dividindo curva com Hamilton pele primeiro lugar.

O único abandono foi de Alguersuari (Toro Rosso), que ficou sem uma roda depois de um pit stop. Felizmente não houve nada de mais, a roda parou na grama e Jaime se arrastou com três rodas até parar. De resto umas disputas aqui e ali com alguma veemência, como Pérez e Sutil, com uns bicos e aletas voando, e Koba-san, o mito, que apareceu com meio bico quebrado, mas logo consertado.

Falando em Kobayashi, o japonês vai deixar Schumacher louco. Mais uma vez, um pequeno duelo entre eles. O heptacampeão parece ser a vítima preferida das ultrapassagens do mito. E a Sauber vai se firmando com um carro estável, que levou Koba-san ao 10° lugar, nada mau. Só Pérez que abusou demais e ficou só em 17° depois de ser punido por causar um acidente.

E a cena mais pitoresca deste GP ficou a cargo de Jenson Button. O mclariano foi fazer seu pit-stop e errou de box; entrou no da Red Bull. Vettel vinha logo atrás. Os mecânicos ficaram loucos e mandaram o inglês passar rápido. Na saída, Vettel pulou à frente de Button. No mínimo curioso. Seria interessante ver se, no ato mecânico de se fazer pi-stops ultra-rápidos, a Red Bull trocasse os pneus de Button. E o inglês assumiu a culpa: “Estava olhando para baixo e errei o lugar”, disse ele.

No fim, Button teve problemas com seus pneus e torceu para a prova acabar logo. Conhecido por saber poupar a borracha como poucos pelo seu estilo de pilotagem, eu mesmo achava que ele fosse superar Hamilton, mas o que se viu foi o contrário. Jenson sofreu com o desgaste e poderia ter terminado até mais para trás do que o 4° lugar.

Já as Renault não mantiveram o mesmo desempenho das duas provas iniciais, onde conquistaram dois terceiros lugares. Petrov e Heidfeld, após largar em 10º e 16º, chegaram em 9º e 12º, respectivamente. A Renault foi uma das equipes que adotou a estratégia de duas paradas, que não se mostrou a mais eficiente durante a corrida. E Nick ainda teve problemas com o KERS.

Na Ferrari, Massa saiu satisfeito com o 6° lugar. Felipe pilotou como há tempos não pilotava. Um ótimo desempenho, que beneficia sua posição na equipe, e dá um ânimo revigorado para a Turquia. Já na largada o brasileiro mostrou isso, dando um pulo espetacular, quase ficou em terceiro, mas Vettel conseguiu fazer a primeira volta na frente dele.

Massa andou sempre perto dos líderes na prova, ficou em segundo durante muito tempo e chegou distantes 15 segundos à frente do companheiro bicampeão, Alonso, mas a Ferrari errou em fazer duas paradas. No fim, quase sem pneus, Felipe foi ultrapassado e se contentou em pontuar.

O outro ferrarista, Alonso, mais brigou com o carro do que pilotou. Se tem um bom ritmo de corrida, a Ferrari sofre com a deficiência aerodinâmica. Os pacotes novos para o carro não estão resolvendo, vai ser difícil entrar na fase europeia do calendário assim. Que resolva logo.

Menção honrosa para Nico Rosberg e Michael Schumacher. A Mercedes andou muito bem e fechou a primeira perna asiática em 5° e 8°, respectivamente. Schumi largou de 14°. E Rosberg chegou a liderar por várias voltas, mas o consumo de combustível o fez tirar o pé no fim e matou as claras chances de pódio. Mas a equipe melhorou muito e está no caminho certo.

A Williams se perdeu esse fim de semana, nada deu certo. Barrichello ficou andando lá atrás, sem poder extrair muita coisa do carro e se limitou a completar a corrida. Maldonado sumiu. Uma corrida para esquecer. Tomara que a equipe se acerte para a Turquia, porque está ficando crítico.

Lá atrás, a Lotus pôs uma volta sobre as Virgin e as Hispania, um feito e tanto. Foi o melhor desempenho da equipe desde que estreou no ano passado. E as Hispania terminaram a prova com os dois carros, outro feito e tanto.

Por último, vou falar de Paul di Resta, que quase marcou seu terceiro ponto. Ficou meio segundo apenas atrás de Koba-mito. Esse escocês é muito bom piloto.

GP da China – Resultado da prova:

1°. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), 56 voltas
2°. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), a 5s1
3°. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 7s5
4°. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), a 10s0
5°. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 13s4
6°. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 15s8
7°. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 30s6
8°. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), a 31s0
9°. Vitaly Petrov (RUS/Renault), a 57s4
10°. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), a 1min03s2
11°. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), a 1min08s7
12°. Nick Heidfeld (ALE/Renault), a 1min12s7
13°. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth), a 1min30s1
14°. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), a 1min30s6
15°. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes), a 1 volta
16°. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Renault), a 1 volta
17°. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari), a 1 volta
18°. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Cosworth), a 1 volta
19°. Jarno Trulli (ITA/Lotus-Renault), a 1 volta
20°. Jérome D’Ambrosio (BEL/Virgin-Cosworth), a 2 voltas
21°. Timo Glock (ALE/Virgin-Cosworth), a 2 voltas
22°. Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania-Cosworth), a 2 voltas
23°. Narain Karthikeyan (IND/Hispania-Cosworth) a 2 voltas
24°. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari), Abandonou

Classificação – Pilotos

1°. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), 68 pontos
2°. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), 47
3°. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), 38
4°. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), 37
5°. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), 26
6°. Felipe Massa (BRA/Ferrari), 24
7°. Vitaly Petrov (RUS/Renault), 17
8°. Nick Heidfeld (ALE/Renault), 15
9°. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), 10
10°. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), 7
11°. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), 6
12°. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), 4
13°. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes), 2
14°. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), 2 pontos

Classificação – Equipes

1°. Red Bull-Renault, 105 pontos
2°. McLaren-Mercedes, 85
3°. Ferrari, 50
4°. Renault, 32
5°. Mercedes, 16
6°. Sauber-Ferrari, 7
7°. Toro Rosso-Ferrari, 4
8°. Force India-Mercedes, 4
9°. Lotus-Renault, 0
10°. Virgin-Cosworth, 0
11°. Williams-Cosworth, 0
12°. Hispania-Cosworth, 0

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em automobilismo, filmes, generalidades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s