Existe amor para recomeçar

São Paulo (Essa fé que me faz otimista demais) – Com a confirmação de que Rubens Barrichello irá disputar a temporada toda da Fórmula Indy em 2012 pela KV Racing, equipe que tem como um dos pilotos seu “irmão” Tony Kanaan (o outro é E.J. Viso) e o ex-piloto Jimmy Vasser na cúpula, é mais ou menos como a galinha dos ovos de ouro que o veterano brasileiro será tratado pela Band, emissora que detém os direitos de transmissão.

A transferência de Rubens da Fórmula 1 para os carros da Indy veio em boa hora para todo mundo. A categoria precisava de uma chacoalhada para retomar a imagem arranhada, após ver seu novo projeto de ídolo Dan Wheldon falecer num trágico acidente, e o brasileiro conseguiu chamar a atenção de grande parte da mídia estadunidense com seus tempos de volta e a rápida adaptação ao carro e ao motor Chevrolet (novo também) em dois treinos – que viraram três – em fevereiro. A cúpula da equipe não teve outra alternativa a não ser encomendar à Dallara mais um carro para Barrichello, que andou muito próximo dos mais rápidos em todos os dias.

A experiência de 19 anos na F1 foi fundamental para isso num começo de ano em que todos os carros são novinhos em folha, após sete temporadas com o mesmo modelo. Por outro lado, Rubens vai ter de reaprender a andar com pneus frios e um carro mais arisco e sem ajuda eletrônica, já que na Indy não se tem cobertor aquecido de pneus e todo o mapeamento de motor e outrem que estava acostumado. Algo um tanto mais bruto e purista, mas desafiador, como ele gosta.

A vinda de um piloto respeitadíssimo por todos no segmento e com alta capacidade técnica é excelente para a Indy, que vai capitalizar como nunca em cima da imagem dele no Brasil. Nos últimos tempos Rubens vem gozando de uma boa imagem junto á mídia brasileira, em parte por causa de veículos e profissionais especializados defenderem o piloto, em parte por ele mesmo (méritos dele e de sua assessoria de imprensa) mudar o jeito como os outros o veem, o que dá o mote necessário para a Band comemorar como nunca esse achado para a emissora.

Novamente veremos uma idolatrização do piloto, que já tem idade e cabeça para saber o que fazer com essa mais nova exposição de sua figura. A torcida aqui já empunha bandeiras, torcendo para ele na prova que será disputada no Anhembi e a Band vai usar como nunca essa carta para hangariar fãs para a categoria mais famosa da sua grade automobilística. É uma nova chance, de ouro, que praticamente caiu do céu pelas mãos do anjo Tony. Poucos têm tal oportunidade na vida.

Barrichello mostra o macacão novo e o carro azul #8 no telão ao fundo para a temporada 2012 da Fórmula Indy (foto: Carsten Horst / Hyset.com.br)

O engraçado foi que no dia do anúncio oficial, a Globo, que sempre o deixou em evidência (às vezes negativa, é verdade), foi lá conferir a coletiva e deu alguns minutos para que ele falasse ao vivo no Globo Esporte, num bate-papo com Bruno Laurence e Thiago Leifert onde contou até como dobrou a esposa Silvana, contrária à ideia de correr em ovais. Já encerrando a conversa, Rubens dispara um apelativo “não me deixa, não. Me mostra de vez em quando”. Thiago respondeu educadamente que fariam o possível, mas a emissora não tem os direitos de transmissão. Pouco mais tarde, no Jornal Nacional, Rubens mereceu um destaque dos apresentadores que noticiaram sua ida para a Indy.

É com esse prestígio na mídia nacional (como mostra o espaço de sobra na emissora que acaba de perder um de seus trunfos para seu melhor produto de automobilismo) que a Bandeirantes vai se ancorar para promover seu novo ídolo. Na Globo, ele será lembrado se vencer ou se se acidentar. Na Band, será o novo rei. Até os integrantes do Pânico, que chegam à nova casa, devem poupá-lo de críticas negativas.

A nota triste para o jornalismo fica por conta da mesma Band, que sabia de antemão e não publicou nada, deixando equipes prontas para o anúncio oficial, num quase anti-exemplo de jornalismo. Ao invés do furo, que rege (ou deveria reger) o jornalismo, foi feito um evento arranjado, controlado pelos  interesses comerciais de quem detém o produto.

Na Band, Rubens será o melhor do melhor do mundo, haja visto que chega como o nome forte na Indy, agora sem Danica Patrick, que foi para a Nascar. Nome este, aliás, que atraiu os patrocínios necessários para viabilizar sua entrada, e até mesmo a presidência da Indy fez um esforço para facilitar a vinda do brasileiro. Com o apoio de Kanaan para fornecer o conhecimento técnico e ambientá-lo na nova empreitada, Barrichello deve sim lutar por pódios, como fez Nigel Mansell em 1993. A equipe KV Racing é uma ótima escolha para fornecer o necessário nesse objetivo.

Mesmo sem fazer uma despedida digna da Fórmula 1 como todos esperavam, após ter sido descartado (como foi Jarno Trulli) sem a menor cerimônia, Rubens conseguiu encontrar uma porta que foi aberta com obstinação, determinação e amor pelo que faz. Aos que achavam que ele estava acabado, o recado foi dado. Um recomeço aos 40 anos é digno de aplausos.

Rubens Barrichello, ao lado de Jimmy Vasser e Tony Kanaan (da esq. p/ a dir.) anuncia que irá correr na Indy pela KV Racing - foto: Carsten Horst / Hyset.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em automobilismo, Automobilismo Brasileiro, Automobilismo Internacional, Formula 1, Indy, Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s